Loading...

Páginas

sábado, novembro 20, 2010

Em busca da cura

Tenho uma amiga muito querida que fez tratamento nesse local chamado de NOSSO LAR, em Santa Catarina e ficou curada.
Aproveito que ela mandou o vídeo e compartilho com todos vocês, para que também possam repassar a quem precise.
http://www.nenossolar.com.br/
Rua: Vereador Arthur Manoel Mariano, 2280 - Forquilhinhas - São José - SC - Brasil - CEP 88.106-500 - Fone: +55 048 3357-0045

Reynaldo Arenas


Reynaldo Arenas foi um escritor cubano de poesias, teatro e novelas. Era assumidamente homossexual e passou grande parte da sua vida combatendo o regime comunista e a política de Fidel Castro.
Em 1963, Arenas mudou-se para Havana, para se matricular na Escola de Planificação e, depois, na Faculdade de Letras da Universidade de Havana, onde estudou filosofia e literatura,  sem completar o curso. No ano seguinte começou a trabalhar na Biblioteca Nacional Jose Marti.
Apesar de ter apoiado a revolução cubana nos seus primeiros anos, devido à extrema miséria em que vivia com a sua família nos anos de Fulgêncio Batista, acabou por ser vítima de censura e depressão, tendo sido várias vezes perseguido, preso, torturado e forçado a abandonar diversos trabalhos (como conta na obra autobiográfica  Antes que anoiteça), mostrando que o governo de Fidel Castro não havia trazido mais democracia à ilha.
Durante os anos 70, tentou, por vário meios, abandonar a ilha, mas não obteve sucesso. Mais tarde, devido a uma autorização de saída de todos os homossexuais e de outras personae non gratae e depois de ter mudado de nome, Arenas pôde deixar o país e passou a se estabelecer em New York, onde diagnosticaram o virus da Aids. Nessa época, escreveu "Antes que anoiteça" (no original "Antes que anochezca").
Em 1990, terminada a obra, Arenas suicidou-se com uma dose excessiva de álcool e droga. Dez anos mais tarde, em 2000, estreou a versão cinematográfica da sua autobiografia, tendo Javier Bardem (o marido de Penélope Cruz) no papel do escritor.
texto tirado do Wikipedia.

Quem viu esse filme que a Rede Globo exibiu hoje? Nesse horário, poucas pessoas, acredito. Eles colocam os melhores filmes de madrugada.
Procurem nas locadoras, porque é muito interessante. A vida desse escritor foi triste, mas ele também se divertiu muito e nos deixou muita coisa boa para ler...
E agora que já dei essa dica pra vocês, vou dormir, porque os piu pius já estão cantando e o dia está amanhecendo!




sábado, novembro 13, 2010

Paul McCartney provoca catarse no show em Porto Alegre




Porto Alegre só falava em Paul McCartney, e ele fez por merecer o frenesi que tomou conta da cidade. Na noite deste domingo (07), num estádio Beira-Rio completamente lotado, no primeiro show da viagem pela América Latina, o ex-beatle realizou o sonho de muitas gerações sem mostrar muita novidade, seguindo à risca o roteiro de toda a turnê atual, a “Up and Coming Tour”. Não que isso seja um demérito – ao longo de três horas, Paul fez rir, chorar, pular, cantar, dançar, gritar. Muitos verbos para uma pessoa só, e uma pequena amostra do poder que ele tem nas mãos. McCartney fez, e é, história.
Créditos: Marcos Tomazzoni.

domingo, março 07, 2010

Será que alguém poderia entender que o meu cansaço é mental?

Do báu do meu computador direto para o blog, depois de uma limpeza.

28/04/09
Não gosto de trabalhar com excesso de cobranças, falta de comunicação e brincadeiras de mau-gosto. Já fazia tempo que não ia mais na minha psiquiatra. Onde eu estava trabalhando não tinha nada pra fazer e às vezes me incomodava o fato de ter que cumprir horário e não fazer nada, mas depois eu pensei: querem que eu ganhe o meu salário sem fazer nada? Então vou aproveitar para ler e estudar. Pelo menos não estou vendo a cara deles!
Eu não tenho laudo. Pelo menos, não tinha. Hoje saberei o que a psiquiatra vai me falar.
O trabalho em si, quando eu tenho, não me cansa. O que me cansa é trabalhar com excesso de cobranças, falta de comunicação e brincadeiras de mau-gosto. A falta de respeito e as personalidades mutantes, depois que "viram chefes", me incomodam. Elas acham que porque têm um cargo superior, têm que mudar de personalidade e se tornarem déspotas, quando na verdade, no meu entender, os chefes teriam que ter o dom da empatia. Uma equipe tem de sentir-se segura para trabalhar melhor. Nós não estamos num quartel militar.

Parece que meu nível de estresse ficou muito alto ou foi o medo de ficar acuada que me levou a ter insônia. Nem eu mesma sei, ainda.
Trabalhar com o preconceito é muito difícil para mim, mas ao mesmo tempo, tenho vontade de dizer a elas que é muito mais fácil aceitar uma avaliação delas do que a minha avaliação. Porque a avaliação delas implicaria em baixar alguns pontos, que me cortariam uns 10 reais no salário. A minha, baixaria muitos pontos por ter feito uma escolha errada, trazendo-me consequências negativas e condição de vida deplorável.

Se eu fosse me avaliar no trabalho, diria que estou fazendo algo a contragosto. Não nasci pra fazer esse trabalho que faço. Eu gosto de outras coisas. Por isso a minha análise pessoal seria mais severa. Eu fiz escolhas erradas na vida e agora estou recebendo a cobrança, muito alta, em detrimento do meu estado de ânimo, idade e por morar longe da família.
É isso que me faz ficar em desequilibrio constante: perceber que fiz escolhas erradas, mas não poder fazer a escolha certa, nesse momento. Parece que é tarde demais. E é...
O feriado pode descansar um pouco o meu corpo cansado pela insônia, mas sinto que meu cansaço é mental.
Não tenho mais condições para ficar em ambientes de trabalho onde tem muito barulho. Fico muito irritada!
Nunca gostei de fazer trabalhos em grupo, porque as pessoas não pensavam e copiavam tudo das enciclopédias e conversavam besteiras em vez de se concentrar no que tinham que fazer.
Quando eu fazia tudo sozinha, lia, resumia e ainda dava a minha opinião. Ainda sou assim, só que agora fico irritada, porque deixam tudo para a última hora. Eu gosto de fazer as coisas no mesmo dia que pedem e de entregar o meu trabalho antes do prazo!
Isso, pra não me estressar! Eu fujo do estresse, mas no trabalho, ele sempre me pega, porque dependo da boa vontade das colegas. Elas enchem linguiça e eu sou mais prática. Trabalhar sozinha é muito melhor!